$type=grid$count=3$show=home

JUSTIÇA$type=three$count=3$show=home

BRASIL$type=grid$count=3$show=home


Comissão vota Orçamento sob pressão para aprovar reajuste a servidores em ano eleitoral

Comissão vota Orçamento sob pressão para aprovar reajuste a servidores em ano eleitoral

 


BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A comissão do Congresso responsável por analisar a proposta orçamentária para 2022 deve votar nesta segunda-feira (20) o relatório final do deputado Hugo Leal (PSD-RJ), com pedidos do governo para que sejam reservados R$ 2,5 bilhões para reajustes de servidores em ano eleitoral.


A expectativa é que a CMO (Comissão Mista de Orçamento) se reúna pela manhã para debater e votar o parecer do relator geral. Com isso, o texto seria levado ao plenário do Congresso em sessão convocada para a tarde de segunda.


Na quinta-feira (16), o Ministério da Economia enviou a Leal e à presidente da CMO, senadora Rose de Freitas (MDB-ES), um ofício pedindo que fossem reservados R$ 2,5 bilhões para reajustes salariais a servidores, mas sem citar categorias.


Outros R$ 355 milhões seriam destinados a despesas financeiras, que não se sujeitam ao teto, e bancariam a contribuição da União para o regime previdenciário desses servidores.


Dias antes, em reunião, o presidente Jair Bolsonaro (PL) havia pressionado por aumento a policiais, em ajuste a ser feito em um projeto de reestruturação das carreiras da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e do Depen (Departamento Penitenciário Nacional).


O aceno aos policiais ocorre em um contexto em que o presidente precisa preservar o apoio de segmentos de eleitores, como policiais e evangélicos, após a divulgação de pesquisas de intenção de voto desfavoráveis a Bolsonaro.


O último levantamento feito pelo Datafolha traz o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com 48% no primeiro turno, contra 22% de Bolsonaro.


Reservadamente, os policiais vinham manifestando insatisfação com o governo e se queixavam de não terem recebido benefícios nos últimos três anos.


O relator, porém, defende que o reajuste tenha validade a partir de julho, o que reduziria o impacto da medida para R$ 1,4 bilhão.


O governo também enviou no início de dezembro pedido de ajuste no Orçamento de 2022 com uma previsão maior para o Auxílio Brasil, que passou a ter um benefício médio calculado em R$ 415 no ano que vem.


A ampliação do programa social que substituiu o Bolsa Família é outra das apostas do presidente para tentar impulsionar sua candidatura à reeleição em 2022.


O novo número havia sido divulgado antes da votação da segunda parte da PEC (proposta de emenda à Constituição) dos precatórios, concluída na última quarta-feira (15).


De acordo com a IFI (Instituição Fiscal Independente) do Senado Federal, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios pode dar ao presidente Jair Bolsonaro (PL) um espaço extra de até R$ 35,5 bilhões para gastar em ano eleitoral. A entidade estima que a proposta abrirá uma folga total de R$ 117,9 bilhões -inicialmente, a previsão era de que o espaço aberto ficasse em R$ 106,1 bilhões.


O governo pretende que os ajustes feitos sejam acomodados nesse espaço liberado pela regra que altera o teto de gastos –mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação– e adia o pagamento de dívidas judiciais da União contra as quais já não cabe recurso.


A proposta de mudança no Orçamento de 2022 feita pelo governo também reserva R$ 39 bilhões para a correção de despesas obrigatórias por causa da aceleração da inflação.


O governo considera que o INPC, índice que corrige benefícios sociais e aposentadorias, fechará o ano em 10%. Isso levaria o salário mínimo a R$ 1.210 em 2022, caso haja apenas a reposição do poder de compra, sem ganho real.


O Ministério da Economia também pediu a inclusão de R$ 7,5 bilhões em despesas com saúde, dos quais R$ 4,5 bilhões com a aquisição de vacinas, e R$ 1,9 bilhão para bancar o auxílio-gás a famílias carentes.


Ao todo, as revisões no Orçamento de 2022 propostas pela Economia somam R$ 103,4 bilhões. Outros R$ 2,7 bilhões serão adicionados aos tetos de outros Poderes, como Legislativo e Judiciário, também beneficiados pela revisão no limite de gastos.


Em outra frente, o montante reservado para emendas de relator pode chegar a R$ 16 bilhões -o teto previsto em projeto de resolução do Congresso aprovado no início de dezembro e que estipulava o valor máximo dos recursos como sendo o total das emendas de bancada e individuais impositivas.


As emendas se tornaram objeto de controvérsias por causa do uso como moeda de negociação política. A partir do Orçamento de 2020, a cúpula do Congresso começou a colocar em prática uma manobra com o objetivo de manter o seu poder de moeda de troca –aproveitando-se da fragilidade política do governo Bolsonaro, que foi obrigado a abrir mão de parte da execução dessa verba.


O projeto de resolução aprovado estabelece novos critérios de transparência para os recursos a partir da aprovação do texto -ou seja, mantendo os beneficiados por emendas de relator em 2020 e 2021 ainda ocultos.


Além dos pedidos do governo, o relator recebeu solicitação para acomodar solicitação do MEC (Ministério da Educação) para ampliar em cerca de R$ 4,5 bilhões os recursos destinados à área no próximo ano. A pasta quer evitar uma redução na verba em relação a 2019, período anterior à pandemia.


O ministério pediu verba para garantir o atendimento de contratos já firmados por universidades e o pagamento de bolsas da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), órgão que tem sofrido uma debandada de coordenadores e consultores.


Na semana passada, a CMO votou relatórios setoriais contemplando emendas parlamentares para diferentes ministérios. Os maiores recursos foram destinados para a saúde, com R$ 8,8 bilhões. O ministério do Desenvolvimento Regional, de Rogério Marinho, recebeu R$ 2,1 bilhões.

Comentários

Nome

BRASIL,8,CULTURA,4,ECONOMIA,16,ESPORTE,7,Exclusivo,2,FAMA,10,JUSTIÇA,4,LIFESTYLE,3,MUNDO,5,POLÍTICA,10,TECH,5,
ltr
item
Diário de Notícias As Últimas Notícias do Brasil e do Mundo: Comissão vota Orçamento sob pressão para aprovar reajuste a servidores em ano eleitoral
Comissão vota Orçamento sob pressão para aprovar reajuste a servidores em ano eleitoral
Comissão vota Orçamento sob pressão para aprovar reajuste a servidores em ano eleitoral
https://blogger.googleusercontent.com/img/a/AVvXsEh4T7UZ9SNrnbg6ghk2Fyd-RYctUCwgTZbjxvnzIXPc6mOE3v7y-3OhwQmW9yQBI4UF9t9NrxIq58zqpriJ11uJUXv5iL0FLmlBX7d_AVm18-KerEiwG1_dUq0s05eaty9QhALj3k8cchHAsZOqLOfjynk9tDcExnYE_eaLzbydV6oH2Qcjv4jmtwomjA=w400-h225
https://blogger.googleusercontent.com/img/a/AVvXsEh4T7UZ9SNrnbg6ghk2Fyd-RYctUCwgTZbjxvnzIXPc6mOE3v7y-3OhwQmW9yQBI4UF9t9NrxIq58zqpriJ11uJUXv5iL0FLmlBX7d_AVm18-KerEiwG1_dUq0s05eaty9QhALj3k8cchHAsZOqLOfjynk9tDcExnYE_eaLzbydV6oH2Qcjv4jmtwomjA=s72-w400-c-h225
Diário de Notícias As Últimas Notícias do Brasil e do Mundo
https://www.diariodenoticias.org/2021/12/comissao-vota-orcamento-sob-pressao.html
https://www.diariodenoticias.org/
https://www.diariodenoticias.org/
https://www.diariodenoticias.org/2021/12/comissao-vota-orcamento-sob-pressao.html
true
1998030421484546283
UTF-8
Carregar todas as matérias Nenhum resultado encontrado. Ver mais Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início Páginas Matérias Ver todas Veja também Tópico Arquivo Buscar Todas as matérias Nenhum resultado encontrado para sua busca Voltar ao início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo Há 1 minuto Há $$1$$ minutos Há 1 hora Há $$1$$ horas Ontem Há $$1$$ dias Há $$1$$ semanas Há mais de 5 semanas Seguidores Siga ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhe em uma rede social PASSO 2: Clique no link da sua rede social Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar